30 novembro 2016

Programa Ciranda de Mulheres na Radio Boca da Ilha

Programa Ciranda de Mulheres:
Radio Boca da Ilha,
aquela que não te papas na Língua !

Nesta quarta-feira (29), foi ao ar a segunda edição do programa Ciranda de Mulheres na rádio Boca da Ilha. O tema do programa foi Violência Contra Mulher e contou com a presença de Dora e Adilene, que são representantes da Secretária da Mulher de Recife. 


O bate-papo na rádio proporcionou o esclarecimento de diversos pontos relacionados aos tipos de violência sofrida pela mulheres (violência física, moral, psicológica, patrimonial e sexual), além do entendimento sobre ciclo da violência, sobre a Lei Maria da Penha e suas medidas de proteção. A discussão ainda apontou estatísticas de vítimas de violência no Brasil e em Recife, destacando formas de serviços disponíveis às mulheres que tomam a decisão de buscar ajuda e formas denunciar o agressor.


Além da entrevista com as convidadas, as músicas tocadas no programa estavam relacionadas ao tema, como sons de Elza Soares, Mc Carol, Karol Conka, Luana Hansen, Ana Tijoux, entre outras! O programa Ciranda de Mulheres vai ao ar todas às quartas as 16h na Rádio Boca da Ilha "A rádio que não tem papas na língua" localizada no Caranguejo Uçá, na comunidade da Ilha de Deus! Acompanhe!



Caranguejo Uçá é arte e Solidariedade ! 

Jornal da Maré - Combate a violência contra a mulher.




No dia 21/11/2016 foi realizada a gravação do Jornal da Maré no anfiteatro da Ação Comunitária Caranguejo Uçá, programa de auditório com apresentação de Edson Fly e Roger de Renor, que vai ao ar na TV Universitária em 2017. 

Essa edição do Jornal da Maré teve como tema: A violência contra as Mulheres e contou com a participação de  mulheres de diversas comunidades e organizações: Ediclea Silva do Grupo Espaço Mulher (Comunidade Passarinho), Elaine Maria Dias (Secretaria da Mulher de Pernambuco); Luiza Batista Pereira (Presidente do Sindicato das Domésticas de Pernambuco); Camila Fernandes (Meu Recife); Elaine Carvalho, Viviane Maya e Rochelle Borges (GAJOP) e representando o Coletivo Negros e Negras em Atividade - Jardim Paulista, Geize Cavalcanti e Diane Chagas.








O programa foi nomeado de Ciranda de Mulheres, em referência ao grupo de mulheres formado no Caranguejo Uçá desde Setembro de 2016, que surge da necessidade de fortalecimento, empoderamento e resgate do espírito de luta das mulheres da Comunidade Tradicional Pesqueira da Ilha de Deus. A Ciranda de Mulheres teve sua formação em meio às ações das Jornadas das Mulheres, construída coletivamente por mulheres da Ilha de Deus, de outras comunidades e de outras organizações. Os encontros da Ciranda vem acontecendo até agora e possibilitam um espaço de troca de saberes, organização política, fortalecimento, protagonismo e luta. 

O programa foi dividido em dois blocos, no primeiro foram problematizados questões sobre os diversos tipos de violência: de gênero, raça, sexual, doméstica, patrimonial, física, psicológica, moral, por falta de políticas públicas para as mulheres em suas necessidades e diversidades culturais e sociais. No segundo bloco foram debatidos possibilidades para o enfrentamento da violência contra as mulheres, sendo enfatizado a importância e necessidade das mulheres se unirem para o fortalecimento e enfrentamento da violência em seus diversos segmentos da sociedade. Foi evidenciado o termo "sororidade", que é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo em busca de alcançar objetivos em comum.

O programa teve como atração cultural o Grupo Votê! O que é isso? Composto que trouxeram no seu repertório músicas contextualizadas com o tema.     

























Rádio Boca da Ilha, a rádio que não tem papas na língua.

Caranguejo Uçá é Arte & Solidariedade!


15 outubro 2016

Festa das Crianças (Brincadeira é coisa séria!)




O desenvolvimento do ser humano tem sido comprometido e negligenciado pela mecanização dos sujeitos, subjugando potenciais e fragilizando identidades, à partir de quadrados estereotipados e limitantes. Na contra mão dessa perspectiva, a Ação Comunitária Caranguejo Uçá realizou hoje (15 de Outubro - Dia do Professor/Dia da Professora), uma festa para as crianças da Ilha de Deus, resgatando brincadeiras tradicionais: corrida de saco, corrida da colher, dança das cadeiras, dança da maçã, quebra panela, pintura de rosto. A intervenção também contou com a participação de palhaç@s, além da degustação de pipoca e algodão doce feitos na hora.

Resgatar o brincar, as brincadeiras tradicionais é sobretudo respeitar o direito de ser criança, na época em que se é de fato criança e do qual não se volta atrás. É por meio das brincadeiras que as crianças se desenvolvem emocionalmente, que são estimuladas à socialização com outras crianças (construção coletiva), aprendem valores e reproduzem ideias como: menino brinca de carro, menina brinca de boneca... Se prestarmos atenção às brincadeiras, vamos perceber que podemos por meio delas, abordar vários temas como: preconceitos, racismo, machismo, violência, respeito, solidariedade, educação ambiental, alimentação saudável, olhar crítico e coletivo, dentre outros.

Brincadeira é coisa séria! O documentário brasileiro Tarja Branca fala sobre a importância do brincar para crianças e adultos, para a sanidade mental, vale a pena conferir. Que tal trocar o Tarja Preta pelo Tarja Branca?
















































































Brincar é um ato político!

Caranguejo Uçá é Arte & Solidariedade!